Dia Nacional de Combate ao Colesterol

Dia Nacional de Combate ao Colesterol

Você faz o exame de sangue e sai o diagnóstico: colesterol alto. Leva um susto, ouve do médico que terá que tomar cuidados extras em relação à saúde, sobretudo alimentação e estilo de vida. Mas o que significa, realmente, a alteração nas taxas deste composto químico?

O que é
O colesterol é um tipo de gordura que integra a membrana das células, a maior parte sintetizada no fígado, e é transportado no sangue por proteínas especiais: as lipoproteínas, encarregadas pela distribuição do colesterol por todas as células, como as do cérebro, nervos, músculos, pele, fígado, intestinos, coração, e tecidos do corpo.

Dois tipos
O colesterol é classificado em dois tipos:
O HDL – Lipoproteínas de Alta Densidade (do Inglês, High Density Lipoproteins), considerado o colesterol “bom”, que ajuda a eliminar o excesso de gordura pela bile e pelas fezes.

E o LDL – Lipoproteínas de Baixa Densidade (do Inglês, Low Density Lipoprotein), chamado “ruim”, pois em excesso pode aderir às paredes das artérias formando placas de gordura que dificultam o fluxo sanguíneo, oferecendo risco de derrame (AVC), aterosclerose, angina, infarto agudo do miocárdio, entre outros problemas. Quando uma pessoa tem níveis de LDL acima do normal, diz-se que tem colesterol alto.

Dentre as muitas funções do colesterol estão:
– A produção do cortisol, o “hormônio do estresse”, e dos hormônios sexuais, incluindo androgênio, testosterona, estrógeno, progesterona e DHEA., essenciais à reprodução;
– Regular os receptores de serotonina no cérebro, que promovem o bem-estar e têm ligação direta com alterações de humores, agressividade e até depressão.
– A produção de vitamina D, indispensável para a formação dos ossos e do sistema nervoso, e também para o funcionamento do sistema imunológico, o metabolismo de sais minerais, à produção de insulina e para o tônus muscular;
– Fabricação dos ácidos biliares (no fígado) que ajudam na digestão de gorduras.

São fatores de risco:
– Maus hábitos alimentares, sobretudo quando consumida gorduras saturadas e trans em excesso,
– Obesidade
– Sedentarismo
– Diabetes
– Tabagismo
– Pressão alta
– Fatores hereditários (se há casos na família, visite seu médico regularmente e mantenha seus exames em dia)

Alimentos amigos do colesterol:
O colesterol entra no organismo por duas vias: produzido pelo fígado ou extraído dos alimentos no intestino. Portanto, os níveis desta substância no sangue são influenciados pela ingestão de gorduras saturadas. Ou seja: você é o que você come. O seu colesterol também.

Veja quais alimentos são indicados e invista!
Azeite: A gordura monoinsaturada do azeite extra-virgem é anti-inflamatória e muito benéfica para o sistema cardiovascular. Benefícios: Eleva o HDL (colesterol bom) e baixa o LDL (ruim).

Peixes: Aposte no trio salmão, atum e sardinha, rico em ácidos graxos (Ômega 3). Benefícios: Aumenta os níveis de HDL, protegendo o coração.

Soja: Possui isoflavonas, hormônio vegetal que inibe a aterosclerose. Benefícios: Eleva o HDL e baixa o LDL.

Abacate: Fonte de gordura monoinsaturada, seu consumo regular que evita a deposição de colesterol nas artérias. Benefícios: efeito vantajoso sobre os níveis de colesterol e triglicérides, melhorias na pressão alta.

Uvas: As vermelhas, roxas ou pretas (sobretudo suas cascas) são ótimas fontes de quercetina, resveratrol e flavonoides (antioxidantes), sendo excelentes para a saúde do coração. As uvas verdes têm poderes antivirais e antibacterianos. Benefícios: Ajudam a elevar o HDL.

Cranberry: Rica em flavonoides, beber 400 ml diários do suco dessa fruta, por no mínimo um mês, segundo uma pesquisa da Universidade de Scranton (EUA), ajuda a reduzir em até 40% os riscos de doenças cardiovasculares. Benefícios: Excelente para elevar o colesterol HDL.

Castanhas: Invista num mix diário de nozes, amêndoas, castanhas-do-pará, sementes de girassol, castanhas-de-caju, fontes de gorduras mono e poli-insaturadas. Ideal é comer um punhado apenas (a quantidade de uma mão). Benefícios: ajudam a elevar o colesterol HDL.

Aveia: Duas colheres diárias da fibra do farelo de aveia é o recomendado. Benefícios: Aumentam o HDL, diminuem o LDL.

A melhor maneira de prevenir o colesterol alto é mantendo uma rotina com hábitos e alimentação saudáveis, e incluir exercícios físicos no seu dia a dia. Neste Dia Nacional de Combate ao Colesterol, que tal investigar os níveis de colesterol do seu sangue?

Agende uma consulta com um clínico geral através do aplicativo da filóo e marque um exame. Saúde nunca é demais e, com a filóo, cabe no seu bolso.

Siga-nos ou curta este Post
error0
Mitos e verdades sobre amamentação

Mitos e verdades sobre amamentação

O aleitamento materno é um esforço de equipe. É o que deixa claro o slogan da Semana Mundial de Aleitamento Materno (SMAM) 2019, que acontece em agosto: “Capacite os pais e permita a amamentação, agora e no futuro!”. O tema destaca a importância do envolvimento dos familiares próximos da mãe (pais, parceiros), dos locais de trabalho e da comunidade para que ela consiga amamentar exclusivamente do peito nos primeiros seis meses de vida e de forma complementar até os dois anos da criança.

Segundo dados da Organização Mundial da Saúde (OMS), somente 40% das crianças de países em desenvolvimento têm amamentação exclusiva nos seis primeiros meses de vida. Assim, para incentivar este gesto tão importante para o desenvolvimento do bebê e para o vínculo entre mãe e filho, esclarecemos dez dúvidas muito comuns referentes à amamentação.

Mitos e verdades sobre amamentação

1. “Meu leite é fraco”.
MITO. Não existe leite fraco. O leite materno é o alimento ideal para o bebê, sendo recomendado até dois anos de vida ou mais, e de forma exclusiva até o 6º mês. Nenhuma fórmula industrializada é tão nutritiva quanto o leite da mãe, que tem todos os componentes necessários ao desenvolvimento do recém-nascido: água, gordura, vitaminas, açúcares, substâncias anti-inflamatórias, sais minerais, células-tronco, além da fortalecer o sistema imunológico da criança, como se fosse uma “vacina”, o que nenhuma fórmula faz.

2. Preciso dar os dois peitos a cada mamada.
MITO. O tempo de cada mamada não deve ser fixado. Nem sempre a criança estará com tanta fome e se satisfará com uma mama apenas. Ao contrário, às vezes irá pedir mais. O esvaziamento do peito pode variar de acordo com o intervalo entre as mamadas e o volume de leite armazenado na mama.

3. Amamentar protege a mãe contra câncer de ovário e de mama?
VERDADE. Segundo o American Institute for Cancer Research, a lactação induz um padrão hormonal associado a um período de amenorreia (ausência de menstruação), assim sendo, a mulher fica menos exposta a variações hormonais associadas a esses dois tipos de cânceres.

4. Ter ou colocar silicone impede de amamentar?
MITO. A cirurgia nos seios, quando feita de forma correta e desde que sejam preservadas as estruturas da mama, não impede a mulher de amamentar.

5. O uso de chupeta e mamadeira pelo bebê atrapalham a amamentação.
VERDADE. A sucção da mamada no peito trabalha a musculatura facial do bebê, o que auxilia na respiração e é imprescindível para o desenvolvimento da fala, anos mais tarde. Chupeta e mamadeira obrigam o bebê a colocar a língua para trás (e não para frente, como no caso do seio), não estimulando corretamente a sucção. Outro dano se refere à chamada “confusão de bicos”: com os objetos, a criança aprende o movimento mastigatório e repete isso no peito, o que impede a saída do leite.

6. Seios pequenos não produzem leite suficiente para o bebê.
MITO. O tamanho da mama não tem relação com a produção de leite. Tanto os seios grandes quanto os pequenos possuem capacidade de secretarem o mesmo volume de leite. E alimentar o bebê perfeitamente.

7. O bebê vai ficar mal acostumado se não tiver horários para mamar.
MITO. A orientação do Ministério da Saúde é a amamentação de livre demanda, ou seja: o bebê deve mamar sempre que desejar.

8. O leite materno congelado não tem os mesmo nutrientes.
MITO. O leite pode ser congelado por até 15 dias sem perder suas características e qualidades nutricionais, desde que armazenado adequadamente.

9. Se a mãe não tiver leite, o ideal é que o bebê mame em outra mulher.
MITO. O bebê deve ser amamentado apenas pela mãe. Se a mãe não consegue amamentar deve procurar orientação no banco de leite humano ou na Unidade Básica de Saúde mais próxima de casa.

10. Quanto mais leite for tirado, mais será produzido.
VERDADE. Quanto mais se estimula as glândulas mamárias, mais elas produzirão leite. Grande parte da produção acontece no momento da mamada.

Alguns benefícios da amamentação para as mães:
– Reduz o peso mais rapidamente após o parto
– Ajuda o útero a recuperar seu tamanho normal
– Diminui o risco de hemorragias e anemias após o parto
– Reduz o risco de diabetes

Alguns benefícios da amamentação para as crianças:
– Considerado pela Organização Mundial da Saúde e pela Unicef como “a ação isolada mais eficaz para o combate à mortalidade infantil”, ajudaria a evitar a morte de 820 mil crianças por ano no mundo.
– Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), o aleitamento materno protege contra a obesidade infantil, sobretudo o aleitamento exclusivo nos primeiros seis meses de vida, que gera um risco 25% menor da criança vir a se tornar obesa.

Se você está amamentando e gostaria de tirar alguma dúvida, as consultoras de saúde filóo estão disponíveis 24 horas para orientar você. Entre em contato!

Siga-nos ou curta este Post
error0
Sarampo: previna-se!

Sarampo: previna-se!

O sarampo voltou com tudo. Em 2016, o Brasil recebeu da Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS) o certificado de eliminação da circulação do vírus do sarampo. Em 2018, porém, o país enfrentou surtos da doença, com mais de 10 mil casos confirmados em 11 estados, colocando em risco essa certificação. Se a perdermos, ninguém pode entrar, nem sair do continente sul-americano sem a comprovação de vacina, o que afeta em cheio a indústria do turismo e os negócios. E, claro, a vida humana.

Em 2019, novos surtos foram detectados, não apenas aqui no Brasil. No mundo todo, os casos de sarampo aumentaram 300% entre janeiro e março de 2019 em comparação com os três primeiros meses do ano passado, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS). Foram 112.163 novas ocorrências em 170 países. Agora, imagine esse vírus se espalhando pelo ar. Por isso, é muito, (muito!) importante a vacinação.

A vacina é uma forma eficiente de prevenir a doença, não apenas na pessoa que a recebeu, mas também na população daquela região. Informe-se com uma consultora filóo onde há um posto ou clínica de vacinação perto de você.

Entenda a doença

O sarampo é uma doença viral aguda, altamente contagiosa, transmitida por gotículas infectadas através da fala, tosse e espirro, mas que pode ser prevenida pela vacina. Pode ser contraída por pessoas de qualquer idade.

Principais sintomas

Após o período de incubação (tempo entre a pessoa entrar em contato com o vírus e o aparecimento dos sintomas) de 6 a 21 dias, podem surgir os seguintes sintomas:
• Febre alta;
• Mal-estar;
• Tosse;
• Coriza;
• Conjuntivite;
• Manchas brancas que aparecem na mucosa bucal conhecida como sinal de Koplik, que ocorre de 1 a 2 dias antes do aparecimento das manchas vermelhas;
• Manchas vermelhas, que surgem 2 a 4 dias após o início da febre, primeiro no rosto e, em seguida, se espalham pelo corpo e duram de 6 a 7 dias.

Complicações

A ocorrência de febre, por mais de três dias, após o aparecimento das lesões na pele, é um sinal de alerta, podendo indicar o aparecimento de complicações, como: infecção respiratória, otite, diarreia e encefalite. Pode causar a morte em até 4% dos casos.

Tratamento

O tratamento do sarampo é de suporte, pois não existe medicamento para combater o vírus e inclui: medicamentos para controlar a febre (antitérmicos) como dipirona ou paracetamol, hidratação adequada, antibióticos para complicações bacterianas como pneumonia ou otite.

É recomendável a administração da vitamina A em crianças acometidas pela doença, a fim de reduzir a ocorrência de casos graves e fatais.

Prevenção
O mais importante em relação ao sarampo é a prevenção. Vacine-se!

Esquema vacinal do Sarampo
• 12 meses a menores de 5 anos de idade: uma dose aos 12 meses (tríplice viral) e outra aos 15 meses de idade;
• 5 a 9 anos de idade que perderam a oportunidade de serem vacinadas anteriormente: duas doses da vacina tríplice viral;
• 10 a 29 anos -duas doses das vacina tríplice viral;
• 30 a 49 anos – uma dose da vacina tríplice viral.

Não devem receber a vacina:
• Casos suspeitos de sarampo;
• Gestantes;
• Menores de 6 meses de idade;
• Pessoas com imunidade baixa.

Você sabia?

• Antes da introdução da vacina contra a doença, em 1963, e da vacinação das populações em massa, a cada 2-3 anos eram registradas epidemias de sarampo que chegaram a causar 2,6 milhões de mortes ao ano.
• O sarampo é uma das principais causas de morte entre crianças pequenas no mundo, mesmo havendo uma vacina segura e eficaz para preveni-lo.
• Até 90% das pessoas que entram em contato com alguma pessoa com sarampo pode apresentar a doença, se não for vacinada.
• O período de contágio é estimado em 5 dias antes e até 4 dias após o surgimento das manchas vermelhas.

Com a filóo, você tem até 20% de desconto em exames e vacinas, e orientação de saúde 24 horas.00

Siga-nos ou curta este Post
error0
Dia Mundial de Luta Contra as Hepatites Virais

Dia Mundial de Luta Contra as Hepatites Virais

Dia 28 de julho foi instituído pela Organização Mundial de Saúde (OMS), como o Dia Mundial de Luta Contra as Hepatites Virais. A hepatite é uma doença grave que afeta o funcionamento do fígado e pode levar à morte. Entenda como ela atua.

O fígado
O fígado é a maior glândula do corpo humano. Localizado na parte superior direita do abdômen, perto do estômago, é ele que mantém as reservas de ferro, vitaminas e sais minerais essenciais à saúde, que produz a bile, um líquido ácido que auxilia na digestão. Entre outras funções, é o fígado desintoxica o organismo quando ingerimos ingredientes prejudiciais como, por exemplo, os contidos em produtos industrializados, refrigerantes, bebidas alcoólicas e remédios. No entanto, tudo fica comprometido se este importante órgão do sistema digestivo inflamar. E essa inflamação é chamada de hepatite.

Tipos de Hepatite
Existem diversos tipos de hepatite: do tipo A, B e C. A hepatite A é transmitida através da água e alimentos contaminados. E em relações sexuais onde a boca entra contato com as fezes. Não há tratamento específico e, na maioria dos casos, o organismo se livra do vírus naturalmente. Dentre os sintomas estão febre, náusea, vômito, dor abdominal e olhos amarelados, porém, com frequência é assintomática. E, mesmo não sentindo nada, quem está com o vírus pode transmiti-lo.

As hepatites B e C podem levar a estados agudos e crônicos. Na hepatite aguda, a pessoa fica amarela, o fígado fica inchado, dói. Já a crônica (quando a inflamação dura mais do que seis meses) é silenciosa, pode evoluir durante anos e a pessoa não sente nada, só quando já está em estágio grave, caminhando para uma cirrose. É um perigo: nesta fase, o fígado perde suas funções e pode levar à morte.

Diagnóstico
O diagnóstico de hepatite é feito através de exame de sangue. Quanto mais cedo a doença for descoberta, mais determinante para evitar sua transmissão ou progressão do vírus e suas graves consequências. Testes para as hepatites podem ser feitos em toda a rede do Sistema Único de Saúde (SUS), e também agendando seu exame através do aplicativo da filóo.

Vacinação
A vacina contra hepatite B é importantíssima. É recomendada para adultos até 29 anos e populações vulneráveis (como profissionais do sexo, usuários de drogas e homens que fazem sexo com homens). Desde 1998, é oferecida gratuitamente nos 32 mil postos de saúde do SUS, sendo parte do calendário de vacinação da criança e do adolescente. É recomendável que a primeira dose deve ser tomada nas primeiras 12 horas de vida do recém-nascido.

Prevenção
Para evitar a transmissão do vírus das hepatites, previna-se:
– Use preservativo em todas as relações sexuais, sem exceção;
– Exija materiais esterilizados ou descartáveis ao fazer tatuagens ou piercings;
– Não compartilhe instrumentos de manicure e pedicure, em salões, aceite apenas os descartáveis
– Tenha sua própria lâmina de barbear ou de depilar, não empreste nem use a de outras pessoas;
– Não compartilhe agulhas, seringas e utensílios para o uso de drogas.

Alerta de perigo
Você sabia que paracetamol, quando misturado ao álcool, pode causar hepatite? É altamente tóxico e, mesmo em baixas doses, é muito perigoso! Evite misturar os dois.

Faça check-ups anuais e os exames e vacinas recomendados pelo seu médico. Através do aplicativo da filóo, marque sua consulta. E mantenha sua saúde sempre em dia!

Siga-nos ou curta este Post
error0
Dia Nacional da Prevenção de Acidentes do Trabalho

Dia Nacional da Prevenção de Acidentes do Trabalho

Acidentes de trabalho e doenças ocupacionais ocorrem por motivos vários: uso inadequado de equipamentos de proteção, lesões por esforço repetitivo (LER), exposição a substâncias químicas, biológicas e materiais tóxicos, quedas, jornadas exaustivas sem intervalo de descanso ou mesmo falha humana.

De acordo com a Previdência Social, caracteriza-se acidente de trabalho aquele que acontece quando a pessoa está a serviço de uma empresa, gerando lesão corporal ou perturbação funcional, permanente ou temporária, que causa a morte, a perda ou a redução da capacidade para o trabalho. Infelizmente, as estatísticas são tristes.

Segundo a Organização Internacional do Trabalho (OIT), a cada ano, dois milhões de pessoas morrem no mundo acidentadas em seus ofícios, outras 270 milhões sofrem acidentes não fatais e 160 milhões padecem de doenças ocupacionais. No Brasil, as perdas decorrentes de acidentes e doenças do trabalho são estimadas em 4% do PIB, ou mais de R$ 200 bilhões anuais. Daí a importância do Dia Nacional de Prevenção ao Acidente de Trabalho, a cada 27 de julho.

Acidentes são imprevisíveis. A boa notícia? Podemos diminuir os riscos, inclusive de doenças e lesões, ao manter a saúde em dia e adotar medidas preventivas.

Adote essas práticas:
– Postura corporal – Evite problemas posturais, oculares, dores na coluna e LER. Sua cadeira de trabalho deve ter altura e encosto ajustados a você, com apoio para a região lombar e dorsal, para os braços e de forma que seus pés fiquem firmes no chão. Aproxime-se de sua mesa de trabalho. Seu monitor deve estar distante 60 cm, um pouco abaixo da linha dos olhos. Ajuste o brilho para não forçar a visão. Mantenha os punhos retos e os cotovelos num ângulo de 90º ao usar o teclado e o mouse.

– Faça pausas regulares – Se possível, a cada 90 minutos, pause dez. Levante-se, alongue-se, se trabalhar na frente do computador, desvie o olhar da tela e dê um descanso para os olhos. Muito tempo sentado? Erga-se por volta de 1 minuto a cada 20 minutos. Se, ao contrário, trabalhar em pé, sente-se e descanse a coluna.

– Exercícios de alongamento – Muito tempo na mesma posição ou fazendo movimentos repetitivos pode gerar dores, inflamações, formigamentos, dormência e cansaço nas mãos, dedos, braços, ombros e pescoço. Dedique alguns minutos para se alongar flexionando as pontas dos dedos, girando os punhos, movimentando os ombros pra cima e pra baixo, pra frente e pra trás (em movimentos rotativos). Solte o pescoço, inclinando a cabeça para ambos os lados, pode ajudar com a mão a manter na posição por alguns segundos. Fique em pé e tente tocar o chão com a ponta dos dedos. Mexa-se.

– Sono – Muitos acidentes são causados por descanso insuficiente. Com sono, nossos reflexos ficam comprometidos, o corpo não responde aos comandos da mente. O sono prejudica a memória, enfraquece a imunidade, altera o metabolismo, interfere na produção de insulina, desregula a pressão arterial, diminui o desempenho físico e a atenção, entre outros. Por isso a importância de dormir bem.

Se sua escala é diurna, procure manter uma rotina regrada com horários para dormir e acordar. Tome sol diariamente, ele sincroniza naturalmente o relógio biológico. Evite: exercícios físicos à noite, e outros estimulantes para o cérebro como cafeína e ficar no celular ou assistindo a TV antes de dormir. Sua mente deve se preparar para descansar, crie um ambiente tranquilo e acolhedor. Faça um relaxamento antes de dormir, medite, escute uma música calma.

Escala noturna: se você trabalha à noite, estabeleça um horário do dia para dormir (e para se alimentar), mesmo se estiver de folga. Escureça o máximo possível o ambiente, que deve ser silencioso e arejado. Evite estimulantes (café, chá preto, refrigerantes, cigarro) perto de encerrar o expediente, próximo ao horário de descanso. Praticar exercícios é fundamental.

Através do aplicativo da filóo você pode agendar consultas preventivas para estar com a saúde sempre em dia. Não conte com a sorte, conte com a filóo.

Siga-nos ou curta este Post
error0