Jejum intermitente

Jejum intermitente

A adoção do Jejum Intermitente (JI) divide opiniões de especialistas. Diferentemente do que costumamos entender como dieta, é considerado uma “prática de alimentação” e consiste em alternar períodos de jejum com períodos de ingestão de alimentos. Popularizou-se por entregar resultados a quem deseja perder peso de forma rápida, sem se basear na diminuição das calorias ingeridas, fazendo com que o corpo utilize os estoques de gordura para equilibrar as necessidades calóricas diárias para o bom funcionamento do organismo.

Como funciona o Jejum Intermitente?

No Jejum Intermitente (JI) você se alimenta normalmente por um período do dia e, no outro período, restringe a alimentação. O consumo de alimentos durante o JI fica restrito a líquidos (água, café, chás) tomados puros, sem qualquer tipo de adoçante.

Nos períodos de alimentação, chamados de “janela alimentar”, a ingestão de alimentos deve ser controlada. Uma grande parcela dos adeptos associam essa prática a uma dieta balanceada rica em proteínas e gorduras, com baixo teor de carboidratos. Já a palavra “jejum”, isoladamente, se relaciona a um período sem consumo de alimentos, por exemplo, durante o sono, quando não há nenhum tipo de ingestão calórica.

Controvérsias

Há quem defenda que o Jejum Intermitente é uma maneira natural de comer e que as refeições programadas como conhecemos atualmente, café da manhã, almoço e jantar, foram criadas pela indústria alimentícia para vender mais (e novos) alimentos como, por exemplo, cereais e a crença de que pela manhã se deve tomar um café reforçado. Antes da industrialização, o padrão de alimentação humano contemplava poucas refeições, baseado em muita proteína, gorduras e pouco carboidrato.

Estudo publicado na revista Nutrition And Healthy Aging (link: https://content.iospress.com/articles/nutrition-and-healthy-aging/nha170036) aponta que a alimentação com jejum de 8 horas produz restrição calórica leve e perda de peso, sem contagem de calorias. Pode também oferecer benefícios clínicos pela redução da pressão arterial.

Outra pesquisa, da Universidade de Cambridge, (link: https://www.cambridge.org/core/journals/proceedings-of-the-nutrition-society/article/energy-restriction-and-the-prevention-of-breast-cancer/4B30994FAFED5130D9B30784C7F3EBE2 ) demonstra que o processo de jejum pode ajudar a evitar o desenvolvimento de câncer de mama em pessoas obesas. Em contrapartida, especialistas sugerem que não há garantias de que o JI seja saudável, há um déficit de informações sobre os impactos no corpo humano quando a prática é seguida em longo prazo.

Segundo departamento de Fisiologia e Biofísica do Instituto de Ciências Biomédicas da Universidade São Paulo (ICB- USP), durante uma pesquisa sobre o impacto do jejum no pâncreas, foi observado um aumento dos radicais livres, massa de gordura e tamanho do estômago, bem como um aumento da secreção de insulina, contradizendo as primeiras impressões positivas que fez a prática tão popular.

Há também a fato de possíveis danos irreversíveis serem causado pela prática, pois segundo os dados da USP, o jejum protocolar pode facilitar o aparecimento de algumas doenças e não há nenhum estudo que mostre que, se a prática for interrompida, o organismo consiga se regenerar.

Conclusão

O consenso dos pesquisadores é que não há dieta milagrosa e, quando se inicia um processo de emagrecimento, o equilíbrio é fundamental. Cada organismo responde de uma forma diferente ao plano alimentar e devem ser considerados outros fatores como idade, sexo, grau de obesidade, grau de atividade física e exames de sangue, antes de adotar um plano alimentar, sempre com a ajuda de um profissional qualificado.

Hipertensão Arterial

Hipertensão Arterial

A Hipertensão Arterial é uma doença tão relevante no Brasil que até ganhou uma data especial: 17 de maio. É a doença crônica mais prevalente entre adultos e idosos, atinge um em cada cinco brasileiros (cerca de 36 milhões de pessoas) e mata quase 50 mil pessoas por ano.

Mais comum entre as mulheres e pessoas com sobrepeso, a conhecida “Pressão Alta” é silenciosa, raramente dá indícios da sua presença e, por isso, é perigosa. Sintomas costumam aparecer apenas quando a pressão está, de fato, muito elevada. Assintomática ou não, pode gerar complicações graves como acidente vascular encefálico (AVC ou derrame cerebral), infarto do miocárdio (ataque cardíaco), aneurisma arterial e insuficiência renal e cardíaca.

O que acontece no organismo

Para entender o que acontece com quem é hipertenso, compare o coração e os vasos sanguíneos com uma mangueira aberta. Se taparmos sua ponta, a água fará com que a pressão interna aumente. O mesmo ocorre quando o coração bombeia o sangue aos vasos estreitados, a pressão sobe. A pressão alta faz com que o coração precise de um esforço maior do que o normal para distribuir o sangue pelo corpo.

Procure um médico se você ou alguém que conhece estiver sentindo um ou mais desses sintomas:

• Dores no peito
• Dor de cabeça
• Tonturas
• Zumbido no ouvido
• Fraqueza
• Visão embaçada
• Sangramento nasal

Prevenção: sua melhor aliada

Dentre os “inimigos da saúde”, os maus hábitos ocupam o topo do ranking como uma das principais causas da alta pressão e fator de piora desta e de outras doenças. A boa notícia? É possível modificar este quadro. Para isso, aplicar mudanças no dia a dia é fundamental. Seja você o protagonista da sua saúde:

• Pratique atividade física regularmente;
• Evite fumar e ingerir bebidas alcoólicas em excesso;
• Cuide da sua alimentação, consuma menos gorduras e sal (sódio) nas suas refeições;
• Minimize o estresse na sua rotina;
• Realize consultas, check-ups e exames para medir a pressão sanguínea regularmente, ao menos uma vez por ano.
Controle e tratamento da hipertensão arterial

Mesmo causando graves consequências, apenas a minoria dos hipertensos controla a pressão arterial e faz o tratamento adequadamente. Quando este controle é devidamente realizado e bons hábitos são adotados é possível manter-se realmente bem e evitar complicações. É importante reforçar que o uso de medicações não deve ser iniciado ou interrompido sem orientação médica.

Benefícios filóo

Através do aplicativo da filóo, com o seu login e senha você pode solicitar uma consulta preventiva com valor acessível e realizar exames periódicos com desconto, como o de aumento de pressão arterial, com as vantagens, qualidade e conforto do atendimento particular. As filóos, suas consultoras de saúde, estão disponíveis para esclarecer dúvidas e orientar o melhor caminho para cuidar da sua saúde, respeitando suas possibilidades, disponibilidade e preferências.
Mantenha sua pressão sob controle e tenha uma vida plena e saudável. Se cuidar faz bem.

Clique aqui e conheça Histórias reais Filóo

Você conhece os sintomas da ansiedade?

Você conhece os sintomas da ansiedade?

Você foi convocado a falar em público e, só de pensar, começa a suar frio. Imagina na hora “H”, com todas aquelas pessoas olhando, certeza: vai gaguejar, paralisar de medo, isso se não desmaiar no palco. E agora? Os próximos dias, você sabe, serão de puro sofrimento. Insônia, dor de barriga, pontadas no peito, respiração descompassada. Por que isso acontece?

A ansiedade engloba sensações subjetivas geradas por preocupações excessivas em relação ao futuro ou medo de possíveis erros, frustrações, críticas, rejeição, ações não controladas, mudanças e do desconhecido. Esse estado está ligado também a emoções como raiva e tristeza.

Com o aparecimento de determinadas emoções, o cérebro compreende a situação como ameaça ou luta-fuga, um mecanismo para proteção. São reações naturais e instintivas, que soam como um “alerta” para nosso organismo.

Causas da ansiedade

As principais causas são momentos vivenciados que atuam como um gatilho para o desenvolvimento da ansiedade como histórico familiar, trauma intrauterino, evento traumático, rotina estressante, entre outros.

Sentir-se ansioso é uma resposta natural do corpo, mas quando essa reação se apresenta de forma intensa e duradoura é considerada um distúrbio de ansiedade, pois poderá afetar negativamente as atividades cotidianas, impedindo o comprometimento com atividades profissionais, sociais e acadêmicas.

Tipos de ansiedade

Ataque de Pânico: manifestação extrema da ansiedade caracterizada por uma sensação intensa e súbita de medo, onde há uma grande descarga de hormônios e sintomas como suor intenso, tontura, desmaio, palpitações, entre outros. Após o primeiro episódio, o receio de que ocorra novamente pode levar à Síndrome do Pânico, que é a repetição do ataque toda vez que a pessoa se encontrar na situação que gerou aquele medo.

Fobia: quando há um medo intenso, por vezes irreal, de algo ou alguma situação que não apresenta perigo. Por exemplo: medo de palhaço, animais inofensivos, túneis, ambientes escuros, entre outros.

Transtorno de Estresse Pós-Traumático: ocorre após situações que resultam em um grande impacto emocional ou traumas. A pessoa tem pesadelos e flashbacks, no qual sente as mesmas sensações do momento do trauma, como se estivesse revivendo.

Transtorno Obsessivo Compulsivo (TOC): são ações repetitivas ou rituais compulsivos, convicções obsessivas, que não apresentam sentido para a própria pessoa, porém, não consegue deixar de realizar.

Ansiedade Generalizada: é uma preocupação constante com a rotina (trabalho, saúde, segurança, filhos, entre outros) que acarretam em sintomas físicos.

Sintomas físicos da ansiedade

Dentre os sintomas físicos da ansiedade estão: taquicardia e sensação de aperto no peito, boca seca, respiração acelerada, sudorese, dor no peito, insônia, agitação, tremores, falta de ar, dor no pescoço e ombro, constipação intestinal ou diarreia; manchas na pele, sensação de nó na garganta, medo de morrer ou perder o controle, agressividade, hiperatividade, dor ou espasmos nos olhos, alucinações, urgência em urinar, aumento da pressão arterial, tontura e sensação de desmaio.

Sintomas emocionais da ansiedade

Dentre os classificados como sintomas emocionais, encontram-se: inquietação ou tensão, insegurança, dificuldade de concentração, apreensão, agorafobia (medo de estar em lugar público ou no meio da multidão), medo de falar em público, nervosismo, sensação de morte iminente, incapacidade de relaxar, medo de perder o controle, distúrbios de autoimagem, medos e preocupações exagerados, falta de controle sobre os pensamentos e sensação contínua de desastres.

Dicas para controle da ansiedade

Meditar, praticar atividades físicas, manter uma boa rotina de sono, buscar acompanhamento psiquiátrico e psicoterapia estão entre as recomendações para auxiliar o controle da ansiedade. Mas no auge da crise, o que fazer? Calma. Experimente essa técnica de relaxamento simples e pode ajudar muito: desacelere sua respiração.

Primeiro, inspire pelo nariz contando até quatro e expire, contando até seis. Ao expirar, esvazie bem os pulmões. Repita esse processo por, no mínimo, oito vezes seguidas e tente manter a respiração pelo diafragma, ou seja, infle e desinfle a barriga – não o peito. Aos poucos, irá perceber que tudo se acalma e conseguirá retomar as rédeas da situação. Boa prática, estamos torcendo por você.

Dicas de alimentação saudável para emagrecer

Dicas de alimentação saudável para emagrecer

Se você deseja entrar em forma de maneira sadia, o melhor é investir em uma dieta equilibrada aliada a exercícios físicos. Sabe-se que o excesso de peso pode afetar a saúde contribuindo para o desenvolvimento de doenças como o diabetes, problemas cardíacos e o aumento de lesões nas costas e nos joelhos, por exemplo. Que tal inserir no seu dia a dia atitudes simples para auxiliar no processo de emagrecimento e a manter a saúde?

– Evite alimentos industrializados: Normalmente, possuem ingredientes para aumentar a durabilidade do produto, entre eles o sódio, que contribui para o inchaço do organismo.

– Aumente a ingestão de água: Água é fundamental não só para o processo de emagrecimento, mas para que o corpo trabalhe em equilíbrio. Ela ajuda o processo de filtragem fazendo com que o organismo elimine as toxinas. Apenas 2 litros por dia garantem a hidratação do corpo. Invista!

– Cozinhe seu próprio alimento: Uma das melhores formas de controlar a alimentação é preparando a sua própria refeição. Quando você cozinha, dá para dosar adequadamente os ingredientes evitando excessos e garantindo a qualidade dos alimentos que está ingerindo.

– Frutas e vegetais: Possuem baixas calorias, vitaminas, sais minerais e muitas fibras, uma combinação perfeita para manter o seu corpo saciado por mais tempo.

– Corte bebidas adoçadas: São como uma bomba na dieta, aumentam o pico de insulina, o que faz com que o corpo armazene as energias em forma de gordura. Refrigerantes? Não chegue nem perto.

– Abuse das saladas: Pode encher o prato. Folhas verdes têm poucas calorias e muitas vitaminas, sais minerais e fibras. Liberado: temperos naturais como limão e azeite de oliva, evite molhos à base de creme de leite e industrializados.

– Substitua a farinha de trigo: Troque a farinha refinada (branca) pela integral. Por ser um carboidrato complexo, a farinha integral traz mais saciedade, ajuda a queimar mais calorias e é ideal para a manutenção (ou até perda) do peso.

– Atenção ao tamanho das porções: Só porque um alimento é saudável não significa que seu consumo desenfreado está liberado. O controle das porções é tão importante quanto a escolha do que vai comer. Se liga!

– Evite o excesso de cafeína: A cafeína é considerada um estimulante do metabolismo e um supressor do apetite. Entretanto, a ingestão de grandes quantidades de café pode interferir no sono, afetando as horas de descanso. Tão importante quanto fazer uma atividade, descansar é fundamental para manter o organismo em equilíbrio.

– Tenha consciência do que seu corpo está pedindo: Aprenda a “ouvir” o seu corpo. Pele, cabelos e unhas refletem a forma como o corpo é tratado. Quando está em processo de emagrecimento, ele dá sinais da falta ou do excesso de vitaminas, sais minerais e água. Por exemplo, pele seca pode ser um sinal de desidratação, unhas quebradiças ou queda de cabelo, que seu corpo estar precisando de mais vitaminas. Observe-se.

E muito importante: não se cobre em excesso, mudanças que duram são as graduais, transforme aos poucos a sua rotina, quando se sentir confortável, insira outra atitude. Um passo de cada vez e você com certeza chega lá. Acredite em você e na sua força de vontade. Nós acreditamos!

Dia da Enfermagem e do Enfermeiro

Dia da Enfermagem e do Enfermeiro

Em 12 de maio se comemora o Dia Internacional da Enfermagem, uma homenagem a Florence Nightingale (1820-1910), enfermeira criadora da primeira Escola de Enfermagem da Inglaterra. Por sua devoção e pioneirismo no trato aos pacientes, tornou-se a primeira mulher a receber a Ordem do Mérito, em 1901. Chamada “A Dama da Lâmpada”, percorria as enfermarias repletas de feridos de guerra com uma lanterna na mão, “É à noite que as pessoas sentem mais medo”.
O que poucos sabem é que a história de Nightingale e seu exemplo de dedicação inspirou o nome filóo. Nightingale, em inglês, significa Rouxinol. Rouxinol, do grego Philomêla. Filomela, filóo. Um lindo caminho de ressignificações, que inicia no ato do cuidar e se transforma no pilar norteador da empresa. Mais que um nome, o sentimento de bem-estar gerado ao cuidar do outro é sua essência e razão de ser.

“A Florence representa muito a expressão do cuidado, da atenção, da coragem, da disponibilidade e da humanização. É muito do que a filóo quer fazer: como uma lamparina, literalmente, levar luz onde há escuridão para o cuidado desses pacientes”, explica João Paulo Ribeiro, médico e sócio-fundador da filóo.

Dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) revelam a relevância colossal destes profissionais: dos 3,5 milhões de trabalhadores na área de saúde, quase 50% atuam na enfermagem. “O papel da enfermeira é muito importante. O médico faz intervenções e orienta as principais condutas, mas quem passa a maior parte do tempo do lado do paciente é a enfermeira. É dela também o papel de ser um elo de comunicação entre as especialidades, entre a equipe do cuidado, é ela que fala com o médico, com o fisioterapeuta, com o nutricionista e com a família”, ressalta João Paulo Ribeiro.

Um estudo do Conselho Federal de Enfermagem (Cofen) realizado pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), com 1,6 milhão de profissionais de enfermagem mostrou que 59,3% deles encontram-se empregados no setor público; 31,8% no privado; 14,6% no filantrópico e 8,2% nas atividades de ensino, sendo 84,6% do sexo feminino e 15% do masculino. A pesquisa inédita, realizada em 2015, abrangeu 50% dos municípios brasileiros dos 27 estados da Federação.

Segundo João Paulo Ribeiro, a filóo se expressa muito pela enfermagem, pela questão de um cuidado amplo, focado no paciente e de uma forma humanizada. Hoje as lamparinas viraram mobiles e é através da luz de suas telas que as consultoras filós dão suporte ao longo de todo o ciclo do cuidado, iniciando antes mesmo da primeira consulta e indo além, com muita troca de informações, facilitando o acesso a serviços e preços justos, com a missão máxima de ajudar a população a se manter saudável. Cuidar faz bem.